Pular, brincar, dançar, cantar e rir feito criança. Se você já foi a um show do Pé de Cerrado, sabe que é isso que acontece. A fórmula é simples, mas exige transpiração e inspiração, brasilidade, um grande trabalho de pesquisa, dedicação e talento. O resultado é uma deliciosa miscigenação artística. Música, poesia, teatro, folclore e circo revelam os traços brasileiros, dos índios, negros, sertanejos – origens de todos nós. 

As letras incentivam boas atitudes, o sentimento de responsabilidade com o outro e com o mundo, a observação e o respeito à natureza. E uma linda ciranda evoca a espiritualidade e traz as melhores energias. 

A primeira formação do Pé se deu por encomenda: foram convocados para fazer a trilha sonora da peça de Ariano Suassuna, na Faculdade Dulcina de Morais. A semente foi lançada! 

Juntos desde 1999, os integrantes logo reconheceram a vontade comum de se aprofundar e pesquisar  as raízes da música popular brasileira. Há 12 anos, mergulharam nesse mar de talentos, ritmos e origens e, hoje, trazem um resultado surpreendente. 

“Nossa missão é tocar nossos instrumentos, lançar nossa vozes e com eles, tocar sua vida, pra que ela seja melhor, mais bonita, mais feliz. Como nos ensina o mestre Ferreira Gullar: “Veja bem, a primeira função social da arte é a arte mesma. Porque a arte, em primeiro lugar ela amplia a vida das pessoas, ela dá alegria, ela enriquece a vida das pessoas”. É assim que entendemos o papel da arte do Pé de Cerrado. “